Arquivo | abril, 2013

CineFacom em Edição Especial na Semana do Calouro!

25 abr

O Centro Acadêmico organizou uma Edição Especial do CineFacom – Mostra Audiovisual dos Estudantes da UFBA – para acontecer na programação da Semana do Calouro, dia 15/05, às 18 horas, no auditório da Facom.  

A mostra será com vídeos de estudantes da Facom, que produziram seus trabalhos nas disciplinas COM 112- Oficina de Comunicação Audiovisual e COM 323 -Narrativas Audiovisuais. Alguns estudantes produziram vídeos para outras disciplinas da Facom, de modo que se sintam à vontade em se inscrever, para mostrar seu trabalho.

Gostaria de participar?

O prazo para inscrição é até dia 30/04/2013, para termos tempo de fazermos a divulgação com a lista de filmes e releases.

 
Inscreva seu vídeo aqui
Convite cinefacom
Imagem

Mídia e Direitos Humanos são temas de Seminário

23 abr

Em terceira edição, Seminário discute a cobertura da violência nos meios de comunicação e como a mídia influencia nas agressões no cotidiano das cidades, em especial atenção às mulheres.

Sob pretexto de liberdade de expressão e da guerra da audiência, muitas emissoras de TV de todo o país violam direitos constituídos de brasileiros diariamente. 97% dos lares brasileiros têm ao menos um aparelho de TV e são influenciados positivamente e negativamente por programas de entretenimento, jornalísticos e também pela publicidade.  Para discutir questões como essas, dia 26 de abril (sexta-feira), a partir das 9h, acontece o III Seminário Mídia e Direitos Humanos, no auditório da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (Facom/UFBA), em Ondina (Rua Barão de Geremoabo, s/n, Ondina, Salvador -3283-6191)

O Seminário divulgará os dados mais atuais da análise da cobertura de três veículos impressos e três programas televisivos baianos. Ainda pela manhã, uma Mesa Redonda será constituída, com mediação do Prof. Dr. Giovandro Ferreira da Faculdade de Comunicação da UFBA, pelo jornalista e membro da Rede Andi Brasil, Adriano Guerra; pelo Superintendente de Apoio de Defesa aos Direitos Humanos da Secretaria Estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos da Bahia, Ailton Ferreira; pela Editora do Jornal A Tarde, Cleidiana Ramos; peloDefensor Público Federal, João Paulo Lordelo  e pelo Deputado Federal Luiz Alberto.

No período da tarde, a partir das 14h, duas rodas de conversa irão discutir e refletir sobre a representação da mulher na mídia e a cobertura da violência contra a mulher na mídia. Durante o Seminário, também será lançado o livro “A Construção da Violência na Televisão e em Jornais Impressos na Bahia”, editado pela Edufba (2013). Produzido pelo Observatório de Mídia e Direitos Humanos da Bahia, o livro trata-se de uma pesquisa que analisou a cobertura de dois veículos impressos, Massa! e Correio, e de dois programas televisivos, Na Mira (TV Aratu, afiliada do SBT) e Se Liga Bocão (TV Itapoan, afiliada da TV Record), no período de julho de 2011 e junho de 2012.

Observatório Mídia e Direitos Humanos – No esforço de pressionar os Poderes Públicos e as Iniciativas Privadas pelo fim de violações de direitos humanos na mídia e por maior qualidade de conteúdo, o Observatório de Mídia e Direitos Humanos da Bahia monitora e analisa, desde 2010, jornais impressos e programas televisivos na Bahia.

O Observatório faz parte do Centro de Comunicação, Democracia e Cidadania (CCDC), órgão suplementar da Faculdade de Comunicação da UFBA. Iniciado em junho de 2009, o CCDC foi criado para ampliar e tornar visível a pauta dos direitos humanos no estado. O Centro fortalece e articula a sociedade civil em torno dos direitos humanos e das políticas públicas de comunicação. Atua em duas frentes: (1) monitoramentos e análises sobre violação de direitos humanos por produtos midiáticos impressos e eletrônicos; e o encaminhamento dos dados e denúncias para movimentos sociais e órgãos competentes. (2) mobilização da sociedade civil – a partir da atuação em espaços de democracia participativa, como Conselhos de Direitos, Redes, Fóruns e Grupos de Trabalho – para incidir sobre o Poder Público na elaboração e implementação de políticas públicas de comunicação no estado.

O projeto é realizado através de uma parceria entre a CIPÓ – Comunicação Interativa, a Facom/UFBA e o Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social e tem financiamento da Fundação Ford.

 Resumo da programação

8h- 9h- Café da Manhã

9h- 9h30- Análise da cobertura do caso Itamar Ferreira e lançamento de livro “A Construção da Violência na Tv e em jornais impressos da Bahia”.

9h30- 12h – Mesa “Mídia e Direitos Humanos”:

Adriano Guerra (jornalista da Rede Andi Brasil- MG)

Dr. Ailton Ferreira (Superintendente de Apoio de Defesa aos Direitos Humanos da Secretaria Estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos da Bahia)

Clediana Ramos (Editora jornal A Tarde)

Dr. João Paulo Lordelo – Defensor Público Federal

Dep. Federal Luiz Alberto

Mediador: Prof. Dr. Giovandro Ferreira (Diretor da Faculdade de Comunicação da UFBA)

14h -17h – Rodas de Conversa

Roda 01: Representação da mulher na mídia e violência contra a mulher

Mediação: Ana Fernanda Souza e Adriano Sampaio

Roda 02: A cobertura da violência contra a mulher na mídia (Caso New Hit)

Mediação: Nilton Lopes e Clarissa Viana

Serviço:

Data: 26 de abril de 2013

Horário: 9h às 18h

Local: Faculdade de Comunicação da UFBA (Rua Barão de Geremoabo, s/n, Ondina, Salvador -3283-6191)

Gratuito, Certificado de extensão.

Imagem

Fonte: Release enviado pela produção do Seminário.
Imagem

PEDIDO DE RETRATAÇÃO A COBERTURA HOMOFÓBICA DO JORNAL CORREIO*

18 abr

Itamar Ferreira1

Na manhã do dia 15 de abril (segunda-feira) de 2013, o Jornal Correio* estampou em sua capa uma manchete intitulada “Sexo Grupal atraiu aluno da UFBA para emboscada”. O título sintetizou o ápice da irresponsabilidade construída por uma série de reportagens publicadas por esse veículo após o homicídio praticado contra nosso amigo Itamar Ferreira no dia 13 de abril do mesmo ano.

Irresponsabilidade que teve como saldo a construção de um discurso que transformou a vítima em algoz, ofendendo sua honra e memória, e corroborando para que novos homossexuais sejam assassinados do País, e principalmente na Bahia. Para nós, amigos da vítima, foi duro e dolorido ouvir nas ruas comentários que culpavam o nosso amigo. Como se já não bastasse o sofrimento de tê-lo perdido de uma maneira tão violenta!

O pior é que além de descontextualizadas, boa parte das informações publicadas pelo jornal sequer podem ser comprovadas, em partes, por serem retiradas de pessoas em condições de vulnerabilidade que também não tiveram minimamente seus direitos assegurados. Foram expostos às câmeras, microfones e gravadores para saciar a busca por notícias ancoradas na violação a dignidade humana. Não desejamos estancar o sangue de Itamar com o sangue de outras pessoas! Se há culpados, que sejam punidos dentro do âmbito legal.

Aí mistura-se a irresponsabilidade do jornal à irresponsabilidade do aparato policial, que por sua vez, além de abrir ilegalmente as carceragens, expôs a outra vítima que por sorte sobreviveu, e repassou informações inconclusas sobre o ocorrido, numa representação costumeira da aliança perniciosa e histórica entre imprensa e polícia no Brasil, que tem como alvo preferencial jovens negros como Itamar. Porém, os meios de comunicação também constroem a realidade e devem sim ser responsabilizados, inclusive, por não terem cumprido o papel de questionar a polícia.

No Brasil os mecanismos legais para ter a integridade do indivíduo minimamente retratada pela imprensa são parcos, por pressões corporativas. Por isso, já que os donos não desejam regulamentar o direito de resposta previsto na Constituição, apelamos inicialmente para o bom senso e solicitamos a retratação imediata na capa deste mesmo jornal sob manchete: “Itamar: mais uma vítima da homofobia”, seguida pela publicação de artigo redigido por amigos e familiares no corpo do impresso.

Não queremos a retratação por ser um estudante da Universidade Federal da Bahia. O fato de ser universitário não o torna superior a qualquer outro jovem homossexual. Queremos sim retratação ao íntegro Itamar, que não pode ser criminalizado por frequentar a praça mais importante da cidade, seja qual for o horário; muito menos por sua orientação sexual, seja qual for a circunstância. O direito de ir e vir, ou de expressar sua sexualidade, não podem ser desnaturalizados.

 É, de fato, difícil traçar os interesses por detrás, já que não conseguimos imaginar o que motivaria profissionais que têm compromisso social e humano – ao menos é o que todos nós, estudantes de comunicação, aprendemos na sala de aula – transformar uma vítima em algoz, se baseando num preconceito do qual a grande maioria dos homossexuais são alvo.

 Itamar está sendo colocado como culpado, já que estava, como vocês mesmo afirmaram – incluindo as aspas – “passeando” com um amigo. Sendo assim, o que vocês dizem à sociedade é que ele procurou pelo ocorrido, o que isenta toda a população da preocupação com a falta de segurança da cidade e poupa-lhes o trabalho de levantar uma discussão sobre o preconceito e, principalmente, a violência da qual os homossexuais são vítimas todos os dias.

 Amigos de Itamar Ferreira, vítima da homofobia, da violência urbana e da mídia sensacionalista

Assine a Petição aqui!

viver Itamar

Imagem

Programação Semana do Calouro 2013.1

16 abr

As instâncias da FACOM: Produtora Junior, a Rádio Facom, o Centro de Comunicação, Democracia e Cidadania (CCDC), A Agência Experimental e o PETCOM, se reuniram no último dia 09 de abril para organizar a programação da semana do Calouro 2013, que ocorrerá do dia 13 ao dia 17 de maio de 2013.

Em breve publicaremos a programação com a confirmação dos palestrantes que estarão nas mesas da terça-feira sobre Arrocha e na quarta-feira a mesa sobre Direito a Comunicação no seminário Comunicação e Cultura na Roda.

Confiram a programação:

1º dia – Segunda-feira:

7h às 7h40: Confraternização

7h40 às 9h10: Apresentação da Direção, Colegiado e Departamento

9h10 às 10h10: Apresentação de duas instâncias (CA e Produtora Júnior)

10h10 às 10h30 Intervalo

10h30 às 12h: Gincana

2º dia – Terça-feira:

7h às 7h50: Apresentação de duas instâncias (Agência de Notícias e Agenda de Arte e Cultura)

7h50 às 9h40: Mesa “Arrocha” – Mediação Professora Nadja Vladi.

Convidados a confirmar.

9h40 às 10h: Intervalo

10h às 12h: Gincana

3º dia – Quarta-feira:

7h às 7h50: Apresentação de duas instâncias (PET e Agência Experimental)

8h às 10h: Comunicação e Cultura na Roda: Direito à Comunicação
Convidados: Robson Almeida – Secretário de Comunicação;
Nilton Lopes CCDC-Cipó e André Araújo – Mestrando do Pós-Cultura, graduado em Produção Cultural pela Facom e um dos criadores da Instância Agência Experimental.

Mediação: Daniel de Farias (Estudante de Produção Cultural – CAFACOM).

10 às 10h30: Intervalo

10h30 às 12h30: Gincana

18 às 20h Edição Especial do CineFacom

4º dia – Quinta-feira:

7h às 7h50: Apresentação de duas instâncias (Rádio facom e CCDC)

8h às 10h: Quinta Aqui! (Profissionais já formados que passaram pela PJR)

10h às 10h30: Intervalo

10h30 às 12h30: Gincana

5º dia – Sexta-feira:

8h às 9h Lavagem das Escadarias da Facom

9h30 às 10h: Resultado da Gincana no Auditório

A partir de 10h: Agenciação

%d blogueiros gostam disto: